domingo, 12 de maio de 2013



“Esse texto foi elaborado por, SirLV. Muito do que será descrito baseasse em sua visão sobre os assuntos que ele se propôs a escrever. Não temos nenhuma intenção de dizer o que é certo ou errado, nosso objetivo e expor e pôr à vista de todos à visão de cada editor e colaborador do Grupo BDSM ES.”



Arte BDSM – Minha forma de ver e viver...

Hoje em dia qualquer pessoa acaba se alto intitulando dom, mestre, lord... Para que isso aconteça, basta ler alguns contos, textos, ou assisti um vídeo ou algo que possa despertar o interesse em dominar. Em alguns casos, algumas pessoas conseguem alcançar bons resultados em sessões ou em conversas diretas ou indiretas com outros membros do universo BDSM, mas é sempre bom lembrar que um NICK é apenas um NICK e nada mais. Um nome, não faz ninguém dono, ser dono vai muito além de sessões e sexo apimentado. Para ser dono é preciso compreender o real significado de ter aos seus cuidados um instrumento de tamanha perfeição.



A composição
Cada top usa um termo para definir o adestramento de sua serva, creio que “lapidar um diamante” é o mais comum. Eu particularmente prefiro o termo compor, mas, creio que independente disso o objetivo é apenas um. Para mim a ideia de fazer com que todos os aspectos que compõem o universo BDSM se tornem uma única melodia na mulher que escolhi para está aos meus pés, é admirável.

Eu nunca vi o BDSM como um jogo ou fetiche, sempre o compreendi como uma das mais belas artes e ao longo destes anos baseei meus princípios e conceitos nessa ideia. Quando você se propõem a criar algo, é certo que você deve ter o mínimo de conhecimento sobre aquilo que deseja fazer, conhecer não apenas técnicas, mas principalmente conhecer o precioso objeto que será composto.

Lembro-me que sempre tentei imaginar como, Antonio Stradivari se sentia ao criar seus instrumentos. Será que ele sabia ou ao menos imaginava que um dia esses instrumentos seriam os mais belos, raros e valiosos do mundo? Sempre achei que os artistas tivessem um olhar diferente, uma forma de compor e de alcançar a perfeição através de sua arte.



Minha Visão

Às vezes, o contraste parece ser incerto. Mas nossa bela arte baseasse simplesmente na pureza, bom gosto e na elegância de nossas almas e desejos.

A submissão e entrega da mulher submissa é a harmonia das harmonias! Uma única tela onde uma única beleza se renova a cada toque de seu criador. Um único instrumento, uma única perfeição... Essa é a nossa arte, pura e livre. Sempre que começo algo com uma submissa lembro-me dos trabalhos de, Rodin. A plasticidade com que o corpo humano é reproduzido em suas obras é algo que beira a perfeição. Jamais permita que algo sujo ou desprovido de qualquer honra e elegância toque em sua obra, não permita que a estética de sua arte seja perturbada e irremediavelmente interrompida. Sei como isso é profundamente frustrante e doloroso!

Estude, leia e tende obter o máximo de conhecimento possível. Não faça arte para os outros, faça para si mesmo. Princípios e conceitos, não são verdades absolutas, mas não é possível ser um bom Senhor sem ter os seus próprios conceitos.

Cada dono é capaz de compor com perfeição a sua obra, cada senhor é capaz de adestrar e lapidar esse objeto de grande valor conhecida como serva mulher submissa.

Quero deixar claro que não tenho nada contra quem ver o BDSM, apenas como um jogo. Não tenho nada contra, aqueles que permitem que outros toquem em sua serva, creio que mesmo quando uma submissa é emprestada ela está obedecendo ordens de seu dono e não existe nada mais admirável que uma serva que obedece e honra seu, senhor. 

Converse e debata de maneira saudável sobre os assuntos ligados ao BDSM. Visite outros sites e blogs e tires sempre o melhor de suas leituras e estudos.

Meus cumprimentos e meus respeitos
SirLV

Um comentário:

  1. Saudações... Gostaria de entrar em contato com o sirlm. Desde já grata. Meu e-mail: buttons.love@hotmail.com

    ResponderExcluir

Seguidores